06 fevereiro 2006

Liberdades

No meio das disputas dos últimos dias, alegadamente motivadas pela publicação de um conjunto de caricaturas, não resisto a divulgar um texto do meu amigo Sisco e que contextualiza uma certa forma de interpretação da acção e das consequentes reacções. Não sei se estou totalmente de acordo com a perspectivação que ele aqui propõe, mas para mim é um contributo importante para pensar estas questões. Obrigado Sisco.


Maomé como terrorista?

Devido ao intenso debate que se travou este fim-de-semana em torno da questão da representação do profeta Maomé como terrorista, com uma bomba no turbante, vou aqui defender o direito dos islâmicos à indignação. Vou fazê-lo com base em argumentos saídos – pasme-se – da tradição liberal do pensamento europeu e, mais, vou acabar por dizer que este tipo de gestos, à semelhança do que acontece com o resto das políticas ocidentais para o médio oriente, presta um grande serviço às facções islamistas radicais uma vez que, ao colocarmos todos os islâmicos no “mesmo saco” – na nossa tendência iluminista para representar o Outro dentro de “apriorismos” generalistas e universais – esquecemos que essas sociedades são necessariamente heterogéneas e diversas, como aliás todas as outras.

Dentro do pensamento liberal há também visões heterogéneas do que é o liberalismo […]. Assim, um dos meus pensadores favoritos dentro desta tradição é Isaiah Berlin. Num dos seus mais interessantes ensaios (editado em Portugal como “A apoteose da vontade romântica”) Berlin defende uma ideia que me parece interessante: diz ele que, de tanto defenderem a liberdade, os pensadores ocidentais – sobretudo os saídos da revolução francesa – acabam por defender o seu oposto. E porquê? Porque – de Rousseau a Marx, passando por Kant, Hegel e pelos pensadores saídos do iluminismo escocês – o que acontece é que simplesmente se tenta estender UMA noção de liberdade ao universo circundante esquecendo-se – no mesmo passo – que essa noção de liberdade pode não estar de acordo com a do outro. Ou seja, o que Berlin diz é que é a própria defesa da liberdade que legitima o terror.

Nada é mais claro: pensadores tão citados na actualidade como Bentham (que defendia o interesse individual e a luta de todos contra todos, razão pela qual se devia vigiar os prisioneiros – o chamada panóptico – uma vez que estes eram “pobres sem mente industriosa” e, por isso, as crianças deveriam começar a trabalhar aos 4 anos para o “progresso” da indústria) e Locke (que achava que as sociedades são constituídas pela soma dos indivíduos – a chamada “falácia da composição” que ignora as possíveis interacções entre esses indivíduos e, pasme-se, achava que as crianças deveriam começar a trabalhar aos 3!) eram defensores deste tipo de liberdade que levou à ideia tão actual de que – para se expandir a “democracia” – é legítimo que se use a “guerra” (o que é um paradoxo parecido com a defesa intransigente da razão. Nada é mais “racional” – calculado, aritmético e geométrico – do que os campos de concentração nazis; aliás, a ideia de “campo de concentração” foi criada pelos ingleses na “guerra dos boers”).

Ora, em contraponto a esta ideia de liberdade expansionista, generalista e universalista, a que ele chama “liberdade positiva”, Berlin defende outra ideia de liberdade a que ele chama “liberdade negativa”: o que ele entende por liberdade negativa é a ideia de uma esfera de autonomia responsável, que seja capaz de responder pelos seus actos, mas que não pretenda impor uma ideia geral de liberdade e seja capaz de resistir às imposições que sobre ela sejam colocadas. Isto funciona tanto para o indivíduo, na sequência de um redimensionamento da tradição iluminista (mas sem universalismos teleológicos, isto é, finalistas), como para as culturas (em relação às quais Berlin se apoia na ideia de história como ela vem de Herder – um pensador romântico pouco lido – enquanto defensor das tradições culturais, ao mesmo tempo que critica em Herder a defesa do “génio alemão”). É que Berlin tem uma coisa que não existe nos actuais pensadores do liberalismo: Berlin é um pluralista intransigente, ou seja, um defensor da heterogeneidade, da diferença, da diversidade e – sobretudo – é alguém que tem coragem de denunciar todas as tentativas para oprimir esse pluralismo que acontecem dentro das nossas tendências universalistas.

É por isso que encontro Berlin nas palavras do Padre Stilwell quando falou no problema das imagens de Maomé. É que se os ilustradores foram livres de publicar as imagens, também as comunidades islâmicas são livres de se sentirem ofendidas, uma vez que isto acontece no domínio de uma sociedade multiculturalista como é a Dinamarca, na qual -
à semelhança do que acontece em Inglaterra – há liberdade de cada um ocupar o seu gueto, mas há pouco conhecimento de um gueto em relação ao outro (ou seja, pratica-se uma forma de racismo polido). Para além de eu não saber de nenhuma publicação islâmica que tenha desenhado Jesus Cristo (ou Deus Pai!) com um tanque americano (quando a Al Jazeera publicou imagens dos judeus com focinho de porco pediu logo de seguida desculpa aos “lobbys” sionistas), o que acontece é que os defensores do laicismo ocidental pensam-no no sentido da “liberdade positiva” de Berlin e – com isso – pretendem que toda a gente pense de acordo com eles, universalizando o seu dogma! É que, em certo sentido, o ocidente “dogmatizou” a sua lógica, “cristalizou” a liberdade e “divinizou” a razão (em lugar de Deus), transformando o cálculo aritmético e científico na “linguagem” supostamente natural – sem sequer se perguntar à natureza se ela funciona assim, uma vez que a “natureza” à qual temos acesso já é uma “natureza” domesticada, ou seja, artificializada. Ora, este dogma que a “liberdade positiva” transformou em linguagem do pensamento único ignorando - isso sim, verdadeiramente uma forma de liberalismo – qualquer pluralismo, tem raízes no pensamento ocidental. É que a própria representação de Deus é pouco vista na nossa tradição. Enquanto a depuração e a simplicidade islâmica correspondem a uma não representação de Deus, essa ideia foi também a marca do cristianismo – presente por exemplo em Santo Agostinho quando diz apenas “Deus é aquele que é” – até à reforma, uma vez que as correntes da não representatividade cristã se depararam aí com um problema que era – exactamente – a obsessão científica de representar tudo e de subalternizar aquilo que não pudesse ser representado: ou seja, a representação católica é contemporânea do espírito científico (que culmina na “religião cientista” actual – que tudo reduz ao cálculo e à imagem e que se tornou ubíqua na “cultura fashion” uma vez que esta é até capaz de transladar “budas” dos seus contextos culturais e colocá-los em bares enquanto símbolos de exotismo deslocalizado sob a tentação do étnico e rodeados de “chill out”). Com isso, que forçou a representação, foi a modernidade, sobretudo na sua vertente racionalista e universalista, que fez ao Outro (no cartoon e no Buda do bar) aquilo que acha que deve ser uma vertente universal. Ora, isto é um acto ditatorial, uma vez que é uma negação do pluralismo, ou seja, de uma autonomia responsável. Ao representar Maomé como um terrorista, o jornal dinamarquês universalizou o juízo (todos os islâmicos são terroristas) praticou a “liberdade positiva” (generalizou uma ideia de liberdade que não respeitou a diferença) e com isso esqueceu a ética da responsabilidade, inerente à ideia de Berlin da “liberdade negativa” (não soube prever que, ao fazê-lo, estava a ser tão imperialista quanto Bush ou o nazismo, uma vez que não estava a aceitar os valores da diferença e estava a colocar todos os islâmicos no mesmo saco, ao fazer com eles o que Hitler fez com os judeus antes de os matar). Com tudo isto, prestou um grande serviço ao fundamentalismo que – também ele (uma vez que inspirado num pensador educado no modernismo universalista das universidade ocidentais: Ibn Qutb) – pratica a “liberdade positiva”, ou seja, quer que todo o Islão seja daquela forma. Assim, tentativas de generalização do Islão (como a representação de Maomé como terrorista) são óptimas formas de fazer guerra porque dividem o mundo em dualismos (eles e nós). É contra este tipo de pensamento que – seguindo a lição de Isaiah Berlin (por sinal, um judeu inglês) sou contra todas as formas de PRIVATIZAÇÃO DO MEU PENSAMENTO que por aí abundam (privatização exactamente porque se tudo é privado e nada é público já não há espaço comunitário para a afirmação da diferença: é a isso que o liberalismo leva, ou seja, “guarda as tuas opiniões dentro de casa porque lá fora não há espaço público para as exprimires; como isto vai entrando na cabeça das pessoas …). Ou seja, resisto – aqui numa vertente liberal que acredita na “liberdade negativa” – a qualquer forma de imposição de dogmas exteriores sobre o meu pensamento. Isto é uma luta diária:
  • é preciso desconfiar quando se lê um jornal ou se vê televisão;
  • é preciso desconfiar quando nos tentam forçar a entrar num espaço;
  • é preciso desconfiar das formas de poder que se insinuam (inconscientemente: elas não têm culpa) por trás do discurso das pessoas;
  • é preciso desconfiar do mercado.
Tudo isto é um acto de resistência e é uma forma de revolução individual permanente. Para o fazer é preciso viver em alerta, como o guerrilheiro na floresta. As armas são as que tivermos ao dispor e que não sejam violentas para com o outro: neste caso, o texto.

0 Comments:

Enviar um comentário

<< Home

Subscrever Enviar comentários [Atom]